terça-feira, 6 de maio de 2014

Índices de Inflação


No segundo post do Blog expliquei como a Inflação influencia em nosso poder de compra, mas não falei como ela é medida ou qual a importância de conhecermos a inflação.

Para começar, é importante comentar que, atualmente, existem diversos indicadores de inflação, dentre os principais podemos citar: Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA),  Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), mensurados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) e Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI), medidos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Todos estimam a variação de preços ao consumidor dentro de um certo período de tempo e o que os difere está basicamente em sua metodologia, ou seja, quais são os dados mensurados para avaliação da variação de preços. Não irei explicar quais as diferenças de cálculo de cada índice, mas irei expor alguns pontos principais da metodologia de cada um e suas diferenças marcantes.

1.INPC e IPCA

Ambos medidos pelo IBGE retratam a variação de preços no varejo para famílias com rendas entre 1 a 5 salários mínimos, INPC, e de 1 a 40 salários mínimos, IPCA. Os dois são utilizados na avaliação do aumento do custo de vida do brasileiro, com a ressalva que o INPC é utilizado para avaliar a inflação sobre pessoas de menor renda.

Estes índices têm uma grande importância, pois são a medida oficial de inflação do governo e representam o compromisso dos nossos governantes com o crescimento adequado de nossa economia e para tornar esta ideia mais sólida existe desde 1999 um conjunto de metas de inflação, composto basicamente por dois elementos: um valor central e um banda de tolerância, atualmente a meta de inflação tem como centro um valor de 4,5% a.a. e uma banda de tolerância de 2%, ou seja, a inflação "estará" sob controle se estiver dentro da faixa de 2,5% a 6,5% ao ano.
Além disso, estar ciente destes indicadores, em especial do IPCA, é muito importante, pois o salário mínimo, os títulos da dívida pública de longo prazo e alguns contratos são atualizados anualmente pelos índices oficiais. Lembrando que: conhecer os índices de inflação oficial permite ao trabalhador exigir sua reposição salarial adequada a fim de não ter seu poder de compra reduzido.

2. IGP-M e IGP-DI

Estes dois índices são medidos pela FGV e avaliam o crescimento dos preços no atacado, no varejo e na construção civil, representando de uma forma mais geral o aumento dos custos ao redor da Nação. Estes índices diferem-se entre si por sua composição, explicada em maiores detalhes aqui e aqui, e distinguem-se daqueles medidos pelo IBGE em função da avaliação de preços na produção e distribuição de produtos e serviços.
O emprego destes índices na economia nacional é bem amplo, em especial por aqueles que pagam aluguel, uma vez que seus custos mensais são atualizados anualmente pelo IGP-M. Além deste emprego, este índice é usado na correção de alguns títulos do Tesouro Nacional (Notas do Tesouro Nacional - Série C, NTN-C) e alguns contratos, já o IGP-DI é empregado na variação do PIB em conjunto com outros indicadores.

3. Por que conhecê-los?

Para ter conhecimento do quanto seu poder de compra é reduzido, para saber se seu aumento salarial é justo, para identificar potenciais investimentos, estes são alguns dos motivos que posso citar do porquê conhecer os índices e saber em que ponto influenciam nosso dia-a-dia. 
Por exemplo, quando se avalia um investimento é interessante que ele tenha um rendimento superior a inflação (em geral, compara-se com o IPCA), pois assim além de manter o poder de compra de seu capital aplicado, você receberá juros reais, ou seja, você esta sendo de fato remunerado!

E isto que torna alguns opções de investimento ruins, como a Poupança, CDB e fundos de renda fixa com taxas de administração elevadas, pois muitas vezes tem um desempenho idêntico ou pior que a inflação. Entretanto, esta análise torna algumas outras aplicações mais interessantes, como as Notas do Tesouro Nacional da Série B e Série B Principal (NTN-B e NTN-B Principal) que são compostas de uma parcela de juros fixa mais IPCA.

Portanto, conhecer os índices de inflação e onde são utilizados é de extrema importância, pois diversos contratos e empréstimos podem ser atualizados por algum destes indicadores econômicos, da mesma forma seus investimentos podem depender destes mesmos indexadores.